Minha conta
Romance no escritório em números: Estudo de 2021

Romance no escritório em números: Estudo de 2021

Misturar amor e trabalho é um negócio complicado. Neste estudo, investigamos como os trabalhadores enxergam o assunto e como seus relacionamentos influenciam suas vidas profissionais.

romance escritorio

 

De acordo com dados de uma pesquisa de opinião do Google em 2015, 18% dos casais se conheceram no trabalho. Isso é mais do que via Tinder e mídia social combinados (de fato, é o maior matchmaker de todos os tempos). Mas como isso acontece exatamente? E, talvez mais importante, como isso termina?

Aqui está o que descobrimos pesquisando 1.000 trabalhadores:

 

romance escritorio

 

Antes de nos aprofundarmos na análise dos prós e contras do romance no escritório, vamos ouvir algumas histórias pessoais dos nossos entrevistados (apenas para que você perceba como é um assunto vasto).

 

Estava tudo ótimo...

 

Tivemos uma série de ligações curtas. Éramos ambos jovens e tínhamos um emprego sazonal. Na verdade, vê-la ali, tornou o trabalho um pouco mais divertido.

 

Ela foi a primeira garota por quem eu pensei que me sentia louco e nós ficamos algumas vezes. Não deu certo no final, mas em uma noite que saímos para ir ao karaokê, e ela cantou "você é meu melhor amigo" foi uma das coisas mais legais que já vivi.

 

Foi a única vez em que fiquei com um colega de trabalho, e a única vez que fiquei com alguém com quem eu não estava em um relacionamento. Eu estava solteira e apenas procurando me divertir e ser descuidada uma vez. Acabei me casando com o cara ... e ele ainda é o amor da minha vida.

 

Mas, também há o lado ruim ...

 

Tive um caso com um colega de trabalho há muitos anos. Nós dois éramos casados ​​com pessoas diferentes e costumávamos sair em várias viagens de negócios ao longo dos anos. Eventualmente, as pessoas descobriram. Acabei sendo demitido (eles mencionaram um motivo diferente, mas eu não acreditei nisso) e nossos casamentos foram arruinados.

 

A única vez na minha vida que namorei um colega de trabalho foi um desastre devastador que não quero reviver.

 

Eu fiquei com um dos meus amigos em uma festinha de trabalho. Achei que fosse só uma ficada, mas ele começou a falar sobre a possibilidade de “nós”. Me senti estranha, mas disse: “que se dane.” Acabamos namorando por 8 meses. Foi o relacionamento mais vil e tóxico que já tive. Eu queria ter terminado mais cedo, mas temia que ele fizesse coisas estranhas para me demitir.

 

E o feio.

 

Pela minha experiência, ficar com seu colega de trabalho pode terminar de duas maneiras: no sexo mais quente da sua vida, ou com seu chefe entrando enquanto você está curvada sobre a pia com um cara, tentando explicar que sim, aqueles relatórios de despesas estarão em sua mesa amanhã cedo. Ou pode ser o primeiro se transformando no último.

Ok, vamos analisar alguns dados concretos

 

89% dos trabalhadores, em algum momento, se sentiram atraídos por um colega de trabalho. 

 

Nada de estranho nisso, certo? Em primeiro lugar, a proximidade é o fator mais importante para se apaixonar. Além disso, imagine estar cercado de pessoas aproximadamente da sua idade, compartilhando seus interesses profissionais, morando na mesma área, provavelmente com antecedentes semelhantes... Essa é uma realidade típica de um local de trabalho. É quase impossível não encontrar alguém de quem você goste.

Mas...

É o seu colega. Sim, você tem um monte de coisas para conversar. Sim, você gosta do estilo dele. Sim, aquela piada na festa de encerramento do terceiro trimestre foi hilária. Mas você trabalha com eles. Você nunca pensaria seriamente em convidá-los para sair.

 

Ou pensaria? 

 

Acontece que 78% dos trabalhadores pelo menos consideraram namorar alguém com quem trabalharam.

 

E 58% namoram.

 

Pessoas de gerações mais velhas são mais propensas a terem namorado um colega de trabalho em algum momento de suas vidas. 64% da Geração X e dos baby boomers já namoraram um colega, enquanto 53% da Geração Z e da Geração Y já fizeram o mesmo.

Embora isso pareça estranho, faz todo o sentido do mundo: quanto mais você vive, mais chances você tem de se envolver em um caso de amor no escritório.

 

As pessoas que trabalham em empresas pequenas (com microempresas de 1 a 10 funcionários sendo um outlier muito claro) são mais propensas a namorar um colega de trabalho. Em geral…

  • 26% das pessoas que trabalham em empresas com 1– 10 funcionários disseram que era uma boa ideia namorar um colega de trabalho;
  • 40% em empresas com 11-50 funcionários pensam assim;
  • 38% em empresas com 51-200 funcionários;
  • 23% em empresas com 201-500 funcionários;
  • 21% em empresas com 501 -1000 funcionários;
  • 11% em empresas com mais de 1000 funcionários.

 

Parece que uma organização que emprega entre 11 e 200 pessoas é o ponto ideal para o amor. Mas, qual o motivo?

 

Simplificando, essas organizações são pequenas o suficiente para que haja uma vibe informal e uma cooperação interdepartamental frequente, exigindo o encontro de muitas pessoas em equipes diferentes. Ao mesmo tempo, elas são grandes o suficiente para fornecer aos parceiros românticos uma sensação de privacidade.

 

Minha hipótese é que, em empresas maiores, as regras e políticas corporativas tendem a ser mais rígidas, assustando os amantes em potencial. Além disso, as estruturas e hierarquias são estabelecidas com mais firmeza. É menos provável que você trabalhe em projetos com outras equipes e encontre pessoas de toda a organização.

Quanto às microempresas de 1 a 10 funcionários? Seria tão estranho quanto namorar um irmão. (Além disso, todos descobririam instantaneamente.)

 

Falando nisso...

 

75% dos trabalhadores que namoraram um colega de trabalho tentaram manter seu relacionamento em segredo.

 

Na maioria das vezes, sem sucesso.

 

Em 82% dos casos, o romance foi descoberto.

 

Paradoxalmente, em organizações maiores, é mais difícil esconder seu romance dos outros colegas.

Os colegas de trabalho descobriram sobre os casos de trabalho de nossos entrevistados em 84% ​​das vezes em empresas com mais de 51 pessoas vs. 76% das vezes em empresas de 1 –50 pessoas.

 

Por que é esse o caso? Porque, em empresas maiores, há mais pessoas para potencialmente pegá-lo em flagrante ou porque amantes em empresas menores se esforçam mais para esconder seus relacionamentos.

 

Superiores, subordinados, colegas - quem sai com quem?

 

Entre as pessoas que namoraram um colega de trabalho:

  • 57% namoraram um colega;
  • 24% namoraram um subordinado;
  • 11% namoraram seu chefe;
  • 8% namoraram um superior, mas não um gerente direto.

 

As gerações mais antigas (Gen X e Baby Boomers) namorariam seus pares com mais frequência do que Gen Z e Millennials (62% vs 52% respectivamente).

 

Os homens são mais propensos do que as mulheres a namorar um subordinado: 27% de nossos entrevistados do sexo masculino disseram que sua aventura foi com alguém mais jovem, contra 18% das mulheres.

 

Dito isso, homens (11%) e mulheres (12%) relutaram quase de forma idêntica em namorar seus gestores diretos.

 

As mulheres entrevistadas namorariam pessoas de poder, mas fora de suas equipes, com muito mais entusiasmo do que os homens: 14% das mulheres contra 5% dos homens escolheram pessoas mais velhas, mas não seus chefes reais, como amantes no escritório.

 

Ainda assim, a grande maioria das interações românticas em escritórios acontece entre pessoas em posições hierárquicas semelhantes. 

 

Além disso, em outra pesquisa nossa, descobrimos que as pessoas que tinham relações sexuais com seus chefes eram motivadas por desejoso muito universais:

  • Eles eram sexualmente atraídos por seu chefe (66%)
  • Queria se divertir (52%)
  • Apenas 12% escolheram ir para a cama com um supervisor na esperança de um aumento salarial ou um bônus maior.

 

O quão sério ficam os casos de escritório?

 

“Namoro” é um termo bastante amplo hoje em dia. Portanto, queríamos descobrir qual era a verdadeira natureza das interações sexuais e românticas entre os trabalhadores. Acontece que:

  • 33% das vezes se torna um relacionamento de longo prazo
  • 31% das vezes é * apenas * namoro
  • 21% das vezes significa fazer sexo semirregular
  • 14% das vezes termina após uma ficada ou duas.

 

Não encontramos diferenças significativas entre gerações, tamanhos de empresas ou setores aqui. 

 

A única disparidade era entre homens e mulheres:

  • 72% das mulheres disseram que namoraram no escritório e formaram um relacionamento oficial.
  • 59% dos homens fizeram o mesmo.

 

Quanto ao impacto do relacionamento amoroso na relação de trabalho das duas pessoas:

  • Nada mudou para 54% dos entrevistados.
  • A relação no trabalho melhorou para 28%.
  • A relação no trabalho piorou para 18%.

 

Mais mulheres (25%) do que homens (13%) afirmam que o romance no escritório teve um efeito negativo em sua relação de trabalho com a cara metade, o que pode ter a ver com a percepção geral do romance no escritório: de acordo com um estudo de 2009, as percepções negativas das pessoas de envolvimento romântico no trabalho geralmente são focados em mulheres.

 

romance escritorio

 

Para apimentar as coisas... 

 

Focamos as nossas últimas perguntas nas ficadas.

 

Dos entrevistados que simplesmente ficavam com seus colegas de trabalho:

  • 35% o faziam fora do trabalho;
  • 26% no próprio escritório;
  • 21% durante uma festa de trabalho;
  • 13% em uma viagem de negócios;
  • 5% durante um evento fora da empresa.

 

Os homens relataram “brincar” com mais entusiasmo do que as mulheres em viagens de negócios (15% vs. 9% respectivamente), enquanto as mulheres eram mais propensas a ficarem com colegas fora de qualquer espaço de trabalho (42% das mulheres vs. 31% dos homens).

 

Mais homens (46%) do que mulheres (37%) já traíram seus parceiros com colegas de trabalho. Curiosamente, não houve nenhuma diferença na proporção de traidores entre as gerações. Aparentemente, algumas não mudam.

 

Já ouviu falar de você-sabe-quem?

 

Em seguida, queríamos ver como os trabalhadores reagiriam se descobrissem que algumas pessoas de seu trabalho estavam traindo no escritório:

  • 35% dos entrevistados espalhariam fofocas entre outros colegas de trabalho;
  • 21% relatariam o problema ao RH ou à alta administração.

 

As gerações mais jovens, Geração Z e Geração Y, são mais propensas a contar a outros colegas de trabalho sobre um caso de escritório em andamento do que a Geração X e os Baby Boomers: 36% contra 31%.

Além disso, 24% dos jovens compartilhariam essas informações com seus superiores ou RH, em comparação com apenas 14% das gerações mais velhas.

Da mesma forma, mais homens (23%) do que mulheres (16%) contariam à gerência ou aos recursos humanos sobre um casal recém-formado no escritório.

Finalmente, pedimos aos nossos entrevistados que imaginassem este cenário:

Seu colega de trabalho está afim de outro colega de trabalho. Eles pedem o seu conselho sobre se devem ou não convidá-lo para sair. O que você faz?

  • 42% dos entrevistados não dariam conselhos;
  • 36% os motivariam.
  • 22% os desmotivariam.

 

A única diferença que encontramos entre os dados demográficos foi que pessoas de 39 anos ou mais manteriam suas opiniões para si mesmas com muito mais frequência do que trabalhadores de 38 anos ou mais jovens (47% contra 37% respectivamente).

 

E o que você faria?

 

Digamos que você acabou de descobrir que alguns de seus colegas de trabalho estão namorando. Você os confrontaria? Diria alguma coisa? Daria parabéns? Você compartilharia essa informação ou ficaria calado?

 

Finalmente, se estivesse afim de um colega, você tomaria iniciativa ou deixaria para lá? 

 

Diga nos comentários!

 

Metodologia e limitações

 

Para este estudo, coletamos respostas de 966 entrevistados por meio do Mechanical Turk da Amazon. Os entrevistados eram 59% homens e 41% mulheres. 9% dos entrevistados tinham 24 anos ou menos. 52% com idades entre 25-38, 27% com idades entre 39-58 e 12% com 59 ou mais.

 

Este estudo de autorrelato investigou se os trabalhadores namoraram seus colegas de trabalho, qual era a natureza de seus relacionamentos e qual é sua percepção geral sobre namoro no escritório. Os entrevistados receberam 18 perguntas fechadas, 1 pergunta baseada em escala e 1 pergunta aberta sobre suas histórias pessoais.

 

Para ajudar a garantir que os entrevistados levassem nossa pesquisa a sério, todos foram solicitados a identificar e responder corretamente a duas perguntas de verificação de atenção.

 

Algumas perguntas e respostas foram reformuladas ou condensadas para clareza e facilidade de compreensão para os leitores. Em alguns casos, as porcentagens apresentadas podem não somar 100 por cento. Dependendo do caso, isso se deve a arredondamentos ou a respostas “não / incerto / desconhecido” não apresentadas.

 

Como a experiência é subjetiva, entendemos que alguns participantes e suas respostas podem ser afetados por recência, atribuição, exagero, auto-seleção, não resposta ou viés de resposta voluntária. 

 

Dada a composição de gênero e idade de nossa grande amostra, o estudo pode ser generalizado para toda a população.

 

Declaração de uso justo

 

Sinta-se à vontade para compartilhar nosso estudo! Os gráficos e o conteúdo encontrados aqui estão disponíveis para reutilização não comercial. Apenas pedimos um link para esta página para dar o devido crédito ao autor.

 

Fontes

 

Avalie meu artigo: romance escritorio
Média: 5 (5 votos)
Obrigado por votar
Caio Sampaio
Caio é um especialista em carreira e construção de currículos. Ele escreve sobre vários assuntos no mundo do recrutamento. No tempo livre, ele lê livros, assiste filmes, joga vídeo game e mantem-se atualizado sobre o universo laboral. Tendo experiência com teatro, cinema e vídeo games, ele busca usar técnicas dessas indústrias criativas para criar currículos mais interessantes e atraentes.

Artigos Similares